quinta-feira, 7 de agosto de 2014

Filme: Guardiões da Galáxia (2014)

Recheado de humor, de surpreendentes cenários e de um quinteto fora de série liderado por Chris Pratt e Bradley Cooper, Guardiões da Galáxia emerge de todas as dúvidas e suspeições como um dos blockbusters mais fortes do Verão e da Marvel. “I am Groot” veio para ficar.

Quando a sua mãe morre na sua infância, Peter Quill (Chris Pratt) é raptado por seres alienígenas de uma galáxia distante. Peter cresce para se tornar Star-Lord, um temerário fora-da-lei conhecido e procurado por toda a galáxia. Quando é encarregue de recuperar uma esfera misteriosa que pode alterar o equilíbrio do universo, Peter junta-se a Gamora (Zoe Saldana), Rocket (Bradley Cooper), Drax (Dave Bautista) e Groot (Vin Diesel) para desfazer os planos maquiavélicos de Ronan (Lee Pace) e Thanos (Josh Brolin). 

Não obstante o sucesso de bilheteira (e a maioria de crítica) de Homem de Ferro, de Thor, de Capitão América e de Os Vingadores, a aposta dos estúdios da Marvel em Guardiões da Galáxia, adaptação cinematográfica de um conjunto de banda desenhada menos conhecido, é potencialmente de risco, capaz de se tornar na pedra no sapato do mundo cinematográfico que o estúdio tem vindo a construir paulatinamente desde 2008. O conceito desta aposta exige mais capacidade de imaginação e predisposição para o elemento fantástico que qualquer entrada anterior. Basta constatar a existência de uma árvore andante e falante (embora o seu vocabulário se reduza a três simples palavras) e de um guaxinim eloquente e rude, além do sem-número de planetas, locais e raças que abundam este projecto, para compreender o nível de abstracção exigido. Tudo parece alinhar-se para transformar Guardiões da Galáxia no derradeiro tiro no pé… mas não podia ser uma suspeição mais longe da verdade.

Incrivelmente divertido, carregado de acção e de personagens memoráveis, Guardiões da Galáxia é a maior vitória da Marvel até ao momento. Se este conceito funcionou, qualquer um a que se proponha no futuro funcionará. O sucesso desta aposta reside totalmente na diversidade e peculiaridade de cada um dos cinco elementos que compõem os correctamente intitulados Guardiões. A narrativa não é particularmente intricada ou inteligente; na verdade, segue o mesmo padrão básico dos restantes títulos da Marvel: um desafio herculano que exige o total sacrifício dos seus protagonistas e que culmina num capítulo final ofuscado por acção excessiva e por actos altruístas exageradamente óbvios. Guardiões da Galáxia não foge a esta fórmula, que amargamente parece cada vez mais obrigatória e imutável.

Felizmente, existe Peter Quill, Gamora, Drax, Groot e, estrela da companhia, Rocket para fazer esquecer a corriqueira narrativa e a ausência de um vilão suficiente e aceitavelmente ameaçador. Mais do que a sua capacidade para produzir planos bonitos e cheios de contagiante energia, James Gunn deve congratular-se pela espontânea e notável união de personagens com idiossincrasias tão próprias, tão fora do comum, que captura primeiramente no argumento que assina com Nicole Perlman e posteriormente com a sua imparável câmara. Guardiões da Galáxia é forte quando o foco de James Gunn permanece no quinteto e fraco quando, por necessidades narrativas pedestres, foge a ele. Thanos pode muito bem ser o grande vilão do mundo cinematográfico da Marvel e Ronan, num escalão inferior, um inimigo poderoso; todavia, a interlocução entre ambos não desperta tanto interesse quanto o filme quer levar a crer. Nesse aspecto, se se libertasse das exigências marvelianas, Guardiões da Galáxia poderia perfeitamente ser mais dirigido para comédia e menos para acção, mantendo a triunfante aposta no humor e na electrizante banda sonora dos anos 80.

No que deve ser o ponto de viragem definitivo da sua carreira, Chris Pratt assume-se como uma estrela, lembrando um jovem Harrison Ford em Guerra das Estrelas. Aliás, e considerando o enquadramento galáctico, Peter Quill parece justamente inspirado em Han Solo, esse outro rebelde e fora-da-lei que também se fazia acompanhar pelos companheiros mais improváveis. Se Chris Pratt dá a cara e o corpo ao manifesto, Bradley Cooper apregoa a sua qualidade entregando a voz ao admirável, inconcebível, Rocket. Zoe Saldana enquanto Gamora, Dave Bautista enquanto Drax e Vin Diesel enquanto Groot não brilham tanto quanto o duo anterior, mas impressionam o suficiente para deixar um encanto duradouro, particularmente Vin Diesel com as mil e uma formas diferentes de proferir “I am Groot”. O restante elenco apesenta-se em bom plano, com destaque para Lee Pace (e a sua fabulosa dicção) e John C. Reilly.  


Se alguma lamentação existe relativamente a Guardiões da Galáxia, para além da narrativa e da exígua vilanagem, é a infeliz pertença ao restante mundo cinematográfico da Marvel. O potencial desta adaptação enquanto um início e um fim em si mesma, ao estilo da saga Guerra das Estrelas, é francamente superior. Guardiões da Galáxia não precisa de cruzar-se com Homem de Ferro, Thor, Capitão América ou Os Vingadores. Está num grau acima, numa galáxia distante, rica, colorida e aventurosa o bastante - e mais ainda - para que continue a existir sozinho, sem os encontros futuros já anunciados. Leva a dizer “I am Groot”.

CLASSIFICAÇÃO: 4 em 5 estrelas


Trailer:

2 comentários:

  1. Para mim este é um dos melhores filmes da Marvel, amei. 5*

    ResponderEliminar
  2. Sendo viciada em cinema, cheguei aqui e foi uma bela surpresa! Bom trabalho!

    ResponderEliminar